Investigação de grupo de pesquisa da UFR é premiada em Congresso Nacional

A pesquisa “Comparação do desempenho de diferentes redes neurais na detecção de doenças no algodoeiro” desenvolvida pelos pesquisadores do grupo de pesquisa Smart Agriculture, da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), recebeu o prêmio de 1º lugar durante o XLIX Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola (CONBEA), na categoria Geomática, Instrumentação e Agricultura de Precisão (GIAP). A pesquisa consiste em um estudo das redes neurais na detecção de doenças na cultura do algodão e foi desenvolvida pelos autores Alexandre de Freitas Carrascosa, Arthur Akira Mamiya e Renildo Luiz Mion.

A investigação teve por objetivo comparar o comportamento das redes neurais YOLO V3 e Mask RCNN para a detecção da mancha de Stemphylium no algodoeiro, a partir de imagens obtidas em condições de campo. Foi feita investigação do efeito da taxa de aprendizagem do YoloV3 nesta aplicação específica, e da proporção de imagens para treinamento e validação, analisando os resultados através da mean Average Precision (mAP), na qual os resultados foram de 0,76 para o Yolo e 0,472 para o Mask RCNN. Os resultados foram utilizados para investigar imagens em diferentes condições de desfoque, que mostraram queda no mAP conforme o aumento do desfoque. Confira a imagem abaixo:

 

A pesquisa está vinculada ao Smart Agriculture, grupo de pesquisa da UFR atuante na busca de novas tecnologias e recursos que possam ser implementados no campo. O grupo atua por meio da aplicação de técnicas computacionais como Inteligência Artificial, Automação, Eletrônica e diversos outras ferramentas, a fim de melhorar a produtividade, simplificar processos e facilitar decisões durante o processo de produção agrícola.

Para mais informações acesse o canal do youtube do grupo de pesquisa ou o perfil no Instagram Smart Agriculture

Pesquisas com participação do grupo GMAT são premiadas em Congresso Nacional

Duas pesquisas desenvolvidas com a participação do Grupo de Melhoramento Animal de Mato Grosso (GMAT) da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR) foram premiadas com o 1º e 2º lugar na área de Recursos Genéticos Animais no VI Congresso da Sociedade Brasileira de Recursos Genéticos que ocorreu de forma virtual entre os dias 09 a 12 de novembro de 2020.

Os resultados da tese de doutorado de Gabriela Stefani, do Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento Animal da UNESP/FCAV, Jaboticabal-SP, co-orientada pelo professor Mário L. Santana Jr (GMAT – Zootecnia/UFR), recebeu o prêmio de 1º lugar. A pesquisa avaliou os efeitos do estresse calórico sobre a produção de búfalas leiteiras no Brasil.

Em segundo lugar, foi classificado o trabalho resultante do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) do discente de graduação em Zootecnia da UFR, Joel Alves da Silva, também orientado pelo professor Mário L. Santana Jr. Neste trabalho foram avaliados os impactos do estresse térmico durante o período final de gestação sobre o crescimento de bovinos de corte.

As conquistas são um reconhecimento da excelência das pesquisas realizadas pelo GMAT – Zootecnia – UFR. O grupo de pesquisadores têm atuado efetivamente em diversas linhas dentro da área de melhoramento genético animal, com pesquisas financiadas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat), além de parcerias estabelecidas com várias importantes instituições do Brasil e do mundo.

O grupo de pesquisa GMAT, da Universidade Federal de Rondonópolis, tem se destacado como grupo pioneiro em Melhoramento Genético Animal no estado de Mato Grosso, sendo composto por pesquisadores especializados na área. O grupo tem como principais objetivos a pesquisa, desenvolvimento e aplicação de diferentes metodologias de avaliação genética e seleção de animais domésticos, além de gerenciar grandes bases de dados. Adicionalmente, tem atuado no monitoramento da estrutura e preservação da variabilidade genética de diversas populações de animais domésticos e busca a formação de recursos humanos na área de melhoramento genético animal.

Pesquisa do Curso de Enfermagem recebe o Prêmio Eric Roger Wroclawski

Pesquisadores do Curso de Enfermagem da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR) receberam o Prêmio Eric Roger Wroclawski na categoria “artigo mais citado”. O trabalho foi publicado no periódico científico einstein (ISSN 1679-4508), publicação oficial do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein.

O artigo intitulado “Colonização oral por espécies de Candida em pacientes HIV positivo: estudo de associação e suscetibilidade antifúngica” é de autoria das acadêmicas do curso de Enfermagem da UFR Werika Weryanne Rosa de Souza, Camila Aoyama Vieira e Janaina Sousa de Lima, da professora Letícia Goulart (curso de Enfermagem), professora Claudinéia de Araújo (curso de Medicina) e do professor Ricardo Olinda (Universidade Estadual da Paraíba). A pesquisa investiga a suscetibilidade a antifúngicos e os fatores associados à colonização oral por espécies de Candida isoladas de pacientes vivendo com HIV.

A publicação foi premiada por se tratar do artigo original mais citado no periódico científico einstein no período entre janeiro de 2018 a junho de 2020. O número de citações foi analisado por meio de métricas das bases de dados da Web of Science Scopus.

O Prêmio Eric Roger Wroclawski contempla anualmente os melhores artigos científicos originais publicados na área da saúde com o objetivo de fomentar e divulgar os estudos realizados nas nas categorias Ciências Básicas e Medicina Experimental, Gestão e Economia em Saúde, Medicina Clínica, Medicina Cirúrgica e Saúde Multiprofissional.

De acordo com a professora Letícia Goulart, “o prêmio é um estímulo para a produção de conhecimento e fortalecimento da pesquisa científica na UFR”.

Clique aqui para acessar o artigo completo: “Colonização oral por espécies de Candida em pacientes HIV positivo: estudo de associação e suscetibilidade antifúngica” no site da revista einstein.

Pesquisa avalia vício alimentar de universitários durante a pandemia

A Universidade Federal de Rondonópolis (UFR) apoia e divulga a pesquisa “Prevalência de vício alimentar em estudantes universitários durante a pandemia de covid-19”.

O trabalho tem o objetivo de investigar a prevalência de vício alimentar em estudantes universitários durante a pandemia de Covid-19 e é desenvolvido pelo pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Nutrição da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), André Eduardo, e pelo pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Nutrição Humana da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Mateus Macena. A coordenação é do professor da da Faculdade de Nutrição da Ufal, Nassib Bueno.

A pesquisa será realizada por meio de um questionário virtual, com duração aproximada de 12 minutos. Poderão participar da pesquisa estudantes universitários de cursos de graduação com idade entre 19 e 49 anos. Para participar, clique neste endereço eletrônico para acessar o formulário.

 

 

 

UFR libera acesso ao Portal de Periódicos CAPES por meio da plataforma CAFe

Os estudantes da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR) já podem acessar de forma remota o Portal de Periódicos da CAPES por meio da plataforma CAFe. O Portal de Periódicos, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, é uma biblioteca virtual que reúne e disponibiliza a instituições de ensino e pesquisa no Brasil o melhor da produção científica internacional. Ele conta com um acervo de mais de 45 mil títulos com texto completo, 130 bases referenciais, 12 bases dedicadas exclusivamente a patentes, além de livros, enciclopédias e obras de referência, normas técnicas, estatísticas e conteúdo audiovisual.

Tradicionalmente, o acesso ao Portal de Periódicos é realizado diretamente da internet do campus, com reconhecimento de IP autorizado. Entretanto, estudantes que possuam um e-mail institucional @ufr.edu.br cadastrado poderão acessar o Portal diretamente de suas casas ou de qualquer outro local fora da universidade por meio da Plataforma CAFe (Comunidade Acadêmica Federada). A plataforma é provida pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e permite que usuários utilizem login e senha institucionais para diversos serviços. Caso você ainda não tenha o seu e-mail @ufr.edu.br clique aqui para solicitar a criação.

 

Para acessar o Portal de Periódicos sigas as instruções:

1.Acesse o Portal de Periódicos;

2.Clique no link ACESSO CAFE disponível no topo da página;

3.Uma lista de instituições participantes da comunidade aparecerá. Você deve selecionar sua;

4.Ao clicar em “enviar”, você será direcionado para uma nova tela onde deverá incluir o nome de usuário e senha fornecidos pela sua instituição;

5.Após a identificação, você será redirecionado para a página inicial do Portal de Periódicos e poderá iniciar sua pesquisa.

 

Assista o Tutorial em vídeo de como realizar o procedimento:

Docente da UFR publica pesquisa inédita em periódico internacional

Publicação científica internacional constitui avanço para a criação, melhoramento genético e conservação de bicudos

 

O professor Mário Luiz Santana Júnior, docente e pesquisador do curso de Zootecnia da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), publicou os resultados de sua pesquisa no periódico científico internacional Plos One. O artigo trata de uma espécie de pássaro pouco estudada e ameaçada de extinção, o Bicudo (Sporophila maximiliani), sendo a primeira pesquisa a abordar de maneira ampla a diversidade genética da população, sua evolução, seleção para fibra, acasalamentos, além de ressaltar a importância da criação em cativeiro e suas vulnerabilidades. A pesquisa investigou dados genealógicos e de desempenho de mais de 6.000 pássaros em competições de fibra coletados no projeto.

O Bicudo sofreu com o tráfico e com a destruição de seu habitat natural, sendo raramente encontrado na natureza. Atualmente é considerado ameaçado ou criticamente em perigo de extinção pelo governo brasileiro. Em contrapartida, existem mais de 180.000 Bicudos cativos no Brasil em razão de criadores amadores e também comerciais autorizados pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Esses criadores são hoje a maior esperança para projetos de reintrodução de Bicudos na natureza, pois grande parte deles são defensores da preservação da espécie tanto na sua forma livre quanto em cativeiro.

O grande interesse pela domesticação do Bicudo se dá pelas características relacionadas à qualidade do seu canto, diversidade de melodias, beleza, comportamento territorialista, facilidade de manejo e adaptação ao ambiente doméstico. Bicudos são pássaros longevos e não são raros os relatos de aves superando 20 ou 30 anos de idade. As características dos Bicudos têm estimulado há décadas torneios das modalidades denominadas canto e fibra no Brasil. Essas competições são organizadas por associações de criadores com a devida permissão das autoridades ambientais e ocorrem regularmente em diversas regiões do Brasil, reunindo até 400 exemplares.

A pesquisa científica com estes pássaros foi iniciada há 2 anos pelo professor Mário Luiz Santana Júnior, que é doutor em Zootecnia pela Universidade de São Paulo (USP). O trabalho foi desenvolvido na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e na Universidade Federal de Rondonópolis (UFR) e contou com apoio da CAMEX/CUR, PROCEV e UNISELVA, sendo desenvolvida a partir do projeto de extensão intitulado “Avaliação genética de passeriformes nativos para características de interesse econômico”.

Para conhecer mais a pesquisa do professor Mário Luiz Santana Júnior, acesse neste endereço o artigo na íntegra

Grupo de pesquisa da UFR integra pesquisa nacional sobre ensino remoto e Política Nacional de Alfabetização

 

GRUPO ALFALE INTEGRA PESQUISA INTERINSTITUCIONAL  SOBRE CENÁRIO BRASILEIRO

Pesquisadores de 29 instituições brasileiras se uniram para investigar dois temas emergentes no atual cenário brasileiro. O primeiro deles analisa como a política de alfabetização do Governo Federal, lançada em 2019, tem chegado aos alfabetizadores; o segundo, trata-se de um levantamento dos principais desafios para a prática neste contexto de pandemia e de trabalho remoto, tanto para os educadores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, quanto da Educação Infantil.

A pesquisa interinstitucional, que tem caráter nacional dada a sua abrangência e participação de pesquisadores das cinco regiões brasileiras, foi proposta pela professora Maria do Socorro Alencar Nunes Macedo, da Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ/MG), sob o título: “Alfabetização em rede: uma investigação sobre o ensino remoto da alfabetização na pandemia Covid-19 e a recepção da Política Nacional de Alfabetização (PNA) pelos docentes da Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental”. A proposta já foi aprovada pelo Comitê de ética da UFSJ.

A Universidade Federal de Rondonópolis (UFR) integra essa pesquisa por meio do Grupo de Pesquisa ALFALE – Alfabetização e Letramento Escolar – e de seus membros, as professoras Sílvia de Fátima Pilegi Rodrigues, Cancionila Janzkovski Cardoso e Sandra Regina Franciscatto.

 

PESQUISADORES SOLICITAM APOIO DE PROFESSORES EM PREENCHIMENTO DE QUESTIONÁRIO

Os pesquisadores envolvidos na proposta estão mobilizando professores das redes públicas das suas regiões para a coleta de dados feita por meio de respostas a um questionário eletrônico. Esses dados são essenciais para a continuidade das atividades do grande grupo de pesquisa e, para isso, é fundamental a colaboração dos professores que atuam na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, até o quinto ano.

Até o dia 20 de agosto, mais de 12 mil professores já haviam respondido o formulário que poderá analisar os desdobramentos da atual política nacional de alfabetização e contribuir para a sua redefinição a partir do olhar trazido pela contribuição dos professores alfabetizadores de mais de cinco mil municípios brasileiros e do Distrito Federal.

O grupo ALFALE convida os professores de Mato Grosso a se unirem à coleta de dados do Estado, respondendo ao questionário disponível neste endereço eletrônico até o dia 15 de setembro de 2020.

Prorrogação de prazo da pesquisa sobre ensino remoto

Foi prorrogado o prazo para preenchimento da pesquisa a respeito do Ensino remoto nas Instituições superiores de ensino. Até o dia 14 de agosto, alunos e professores das redes pública e privada que estavam matriculados ou lecionaram no primeiro semestre deste ano em cursos presenciais terão acesso a um questionário para contar suas experiências com as aulas nesta época de restrições e isolamento social, diante da circulação do novo coronavírus.

A iniciativa é um desdobramento da publicação da Portaria nº 544, de 16 de junho de 2020, que trata da substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais durante a pandemia de Covid-19. O objetivo é entender a percepção dos alunos e professores sobre a nova rotina de aulas e estudos, bem como obter informações sobre as ferramentas e tecnologias utilizadas no caso das substituições ocorridas nos cursos presenciais com a utilização de TICs, além de utilizar as informações para melhorar as políticas regulatórias e de supervisão do sistema federal de ensino superior. 

Foi criado um formulário específico para cada grupo: um para as instituições de ensino (para checar a adesão às aulas remotas e dados sobre evasão escolar, por exemplo), um para os professores e um terceiro para os alunos – esses dois últimos têm perguntas a respeito da suspensão das aulas e da oferta de ferramentas adequadas para as aulas em meios digitais. Os questionários já estão disponíveis. Se você é professor do ensino superior, poderá acessar e responder ao questionário aqui. Ou se você é aluno de qualquer instituição do ensino superior, poderá clicar aqui para acessar e responder ao questionário.

O Ministério da Educação (MEC) trabalha em parceria com a organização social CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos) para a elaboração da pesquisa, o cruzamento de dados e a consolidação das respostas.

UFR na contribuição científica

O jornal eletrônico “Cidadão Cultura” de Cuiabá publicou uma matéria no formato de divulgação científica, onde foi descrito o efeito do pulso de inundação nas abelhas e vespas no pantanal Brasileiro.
Na matéria foram apresentadas a importância das abelhas e vespas para o ecossistema e descreve para a comunidade a origem do trabalho, bem como os principais resultados da pesquisa e suas aplicações para conservação do Pantanal. Para além, retrata um pouco a vida de um biólogo em campo.
O artigo foi escrito pelo Prof. Rodrigo Aranda do departamento de biologia (Aranda, R. & Aoki, C. 2018).
Título: Diversity and effect of historical inundation on bee and wasp (Hymenoptera: Apoidea, Vespoidea) communities in the Brazilian Pantanal.
Publicado em: Journal of Insect Conservation.
Leia a matéria na íntegra: Clique AQUI