Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página
Institucional

Reitora participa de comitiva e leva demandas da UFR ao Ministro da Educação

Publicado: 30/11/2020 10:59 | Última atualização: 30/11/2020 15:53
blue bird

Nesta terça-feira (17), a reitora da Universidade Federal de Rondonópolis, professora Analy Castilho Polizel de Souza, esteve reunida em comitiva no Ministério da Educação juntamente do senador Wellington Fagundes para levar ao ministro Milton Ribeiro demandas que promovam celeridade no processo de desenvolvimento da UFR. A instituição aguarda a liberação de provimento de cargos e funções, atualmente restringidos pela Lei Complementar nº 173, de 2020, que estabelece o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus SARS-CoV-2 (Covid-19).

Durante o encontro foi criado o Projeto de Lei Complementar n° 266, de 2020, que altera a legislação vigente e desobstrui a reposição do quadro permanente de servidores e a nomeação de cargos de direção e funções. A medida beneficiaria não somente a consolidação da UFR, mas também de mais 5 novas universidades recém-criadas: Universidade Federal de Catalão (UFCAT), Universidade Federal de Jataí (UFJ), Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar), Universidade Federal do Agreste de Pernambuco (UFAPE) e Universidade Federal do Norte do Tocantins (UFNT).

Nesta ocasião, o senador Wellington Fagundes aproveitou a oportunidade para comunicar que foi publicada a licitação no valor de R$ 10 milhões para reforma e construção dos blocos da Saúde e da Reitoria na Universidade Federal de Rondonópolis. Segundo ele, a medida representa geração de empregos e a modernização da estrutura necessária para que a UFR atenda os alunos, o ensino e a pesquisa.

De acordo com a Assessoria do senador, o ministro Ribeiro se mostrou favorável ao pleito, dizendo que possui carreira acadêmica e enxerga que dar à sociedade a instalação efetiva das novas universidades é um horizonte a ser perseguido imediatamente. A reitora da UFR, professora Analy Polizel, afirmou que a alteração no projeto pode solucionar o problema administrativo, e que mais de 4 mil alunos aguardam ansiosos essa efetivação para que haja pleno funcionamento da instituição.

 

 

Fim do conteúdo da página